CARACTERIZAÇÃO E RELEVÂNCIA DA PROPOSTA

Sendo um tema bastante debatido na atualidade, a inclusão deve ser entendida como um processo a longo prazo e um princípio que visa solidificar um elo igualitário social. Ressaltando a importância de uma sociedade inclusiva, Stainback & Stainback (1999, p.26) frizam:

Sem dúvida, a razão mais importante para um ensino inclusivo é o valor social da igualdade. Ensinamos os alunos através do exemplo de que, apenas das diferenças, todos nós temos direitos iguais. Em contraste com experiências passadas de segregação, a inclusão reforça a prática da idéia de que as diferenças são aceitas e respeitadas.

Nunca o tema da inclusão de pessoas com algum tipo de deficiência esteve tão presente no dia-a-dia da educação. Esse termo pode ter inúmeros conceitos, significados e várias representações, podendo ser analisado e avaliado em diferentes dimensões, já que o contexto social, político e econômico provém de meios culturais diferentes. Assim, a inclusão é entendida como um ideal que pressupõe um mundo diferente do atual, em que a agressividade e a competitividade não sejam tão avassaladoras; um mundo no qual cooperação e piedade não tenham o mesmo sentido.

A presença crescente, na rede de ensino, de pessoas com necessidades especiais exige, antes de tudo, uma mudança de atitude, não só dos professores, mas de toda a comunidade escolar, uma vez que incluir os alunos com deficiências nas turmas de educação regular eleva a consciência sobre cada aspecto do (inter) relacionamento que deve existir entre a escola e a comunidade. Nesse contexto, a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDBN) lei nº 9.394/96, Art. 4º, inc. III, prevê o atendimento educacional especializado gratuito aos educandos com necessidades especiais, preferencialmente na rede regular de ensino; indica, também, no Art. 59, inc. I, currículos, métodos, técnicas, recursos educativos e organização específica, para atender às necessidades desses educandos.
Para que a inclusão surta o efeito a que se propõe e não reforce o sentimento de exclusão do “incluído”, é necessário que a escola, a universidade, a sociedade e mesmo a família desmistifiquem o conceito de diferença/ deficiência.

Inclusão, portanto, é um termo que expressa compromisso com a educação de cada sujeito, elevando ao máximo seu potencial, desenvolvendo-o de maneira apropriada. A inclusão implica, também, oferecer serviços de suporte e permitir que o aluno se beneficie com o fato de estar na sala de aula comum. Para que um sistema educacional inclusivo seja bem sucedido, é preciso contar com o envolvimento de toda a comunidade escolar no processo de transição ou já ao receber os primeiros alunos que, antes, se encontravam em programas especiais ou sem frequentar a escola. Isso exige uma reestruturação da escola, que deve ampliar as oportunidades de participação de todos, de forma a responder a necessidades educacionais de seus alunos.

O presente projeto pretende continuar efetivando um apoio a estes alunos através de uma sala de apoio/recursos na Universidade, através da Pró-reitoria de Graduação, e também para os professores/coordenadores/funcionários através de  professoras especializadas.

IDENTIFICAÇÃO DO PROJETO

Título do projeto: Núcleo de Apoio ao Estudante – NAE
Unidade proponente: Pró- reitoria de Graduação

RELAÇÃO COORDENAÇÃO /COLABORADORES
Nome Coordenador(a) : Dr. Vaneza Cauduro Peranzoni
Nome Colaborador(a):  Msc Fátima Terezinha Lopes da Costa
Nome Colaborador(a): Esp. Marcia Cristina Gouvea Gomes
Nome Colaborador(a): Esp Marcia Elisa Lamaison
Nome Colaborador(a): Esp. Rosani Alcantara
Nome Colaborador(a): Esp. Daniela de Oliveira

PERÍODO DE REALIZAÇÃO

O projeto caracteriza como contínuo, permanente, sempre dando assistência pedagógica, psicológica e psicopedagógica  aos universitários e professores da Universidade de Cruz Alta.

OBJETIVOS

  • Promover a permanência e o sucesso acadêmico de estudantes, através de acompanhamento, orientação e intervenção nas áreas de pedagogia, psicopedagogia, educação especial e psicologia que apresentem dificuldades e /ou barreiras que impeçam o processo ensino aprendizagem.
  • Implementar adaptações de acessibilidade e de currículo necessárias a acadêmicos com necessidades especiais visando a  inclusão;
  • Promover espaços de discussões, diálogo e esclarecimentos com os professores e funcionários da Universidade sobre a inclusão das pessoas com necessidades especiais e demais demandas em parceria com o NAP;
  • Desenvolver cursos, oficinas, palestras e discussões sobre a inclusão e acessibilidade de todos no espaço Universidade.

PROGRAMA

Atendimentos ofertados pelo Núcleo de Apoio ao Estudante

Com o propósito de fortalecer uma política de acompanhamento e apoio aos estudantes, a Universidade oferece o Programa de acompanhamento dos processos de aprendizagem dos alunos, através do Núcleo de Apoio ao Estudante.
Através deste setor, a Instituição procura incentivar uma prática pautada pelo respeito à diversidade e à inclusão, considerando políticas sociais relativas, também, aos indígenas, descendentes afros e suas culturas. As ações desenvolvidas contemplam o Atendimento Educacional Especializado, Apoio Psicopedagógico e Núcleo de Acessibilidade.

 

    • Atendimento Educacional Especializado- AEE

      Busca promover a internalização do processo de ensino aprendizagem dos estudantes que apresentam necessidades especiais, propondo formas de apropriação que respeite as condicionalidades e singularidades de cada indivíduo.

    • Apoio Psicopedagógico

O Apoio Psicopedagógico ocorre a partir do encaminhamento de alunos pelos docentes mediante o preenchimento de uma ficha (anexo) na qual o mesmo especifica o motivo (queixa)
pela qual está encaminhando o aluno. Outra forma de chegar até o serviço psicopedagógico é a busca pelo próprio aluno que sabe estar em dificuldade acadêmica e assim, toma a iniciativa ou é conduzido por um colega que já conhece o serviço.

Nas turmas iniciantes realiza-se uma pesquisa de Hábitos e Desempenho no Estudo e, a partir da análise destes dados informa-se os professores e realiza-se oficinas psicopedagógicas com os alunos que apresentam dificuldades de atenção, concentração, forma de apontamento, estudo.
O nivelamento é outra forma de evitar o fracasso acadêmico. Oferece-se aulas específicas, em horário alternativo, nas disciplinas as quais  o professor constata que o aluno está apresentando dificuldades. O nivelamento é um trabalho preventivo realizado antes que o discente vivencie o fracasso.

    • Núcleo de Acessibilidade

Promove fluxo constante de informações sobre acessibilidade e legislação pertinente à Educação Especial aplicada à Educação Superior na perspectiva da Educação Inclusiva.

POPULAÇÃO CONTEMPLADA

   O Núcleo de Apoio ao Estudante oferece atendimento individual e/ou em grupo para todos os universitários que apresentam necessidades especiais ou dificuldades de aprendizagem específicas causadas por alterações cognitivas, emocionais, adaptativas e/ou sociais permanentes ou temporárias.

LOCAL DE REALIZAÇÃO

Sala do Núcleo de apoio ao estudante/ Prédio 13 -Em frente ao CCHS

METODOLOGIA

  • Organização, por parte do NAE, de um cadastro de todos os estudantes ingressantes a fim de verificar suas necessidades;
  • Geração de relatórios periódicos do desempenho dos estudantes com a identificação dos casos;
  • Realização de avaliações com os estudantes para conhecer suas necessidades, expectativas e dificuldades;
  • Elaboração de planos de AEE, com todas as especificações de acessibilidade necessárias para o estudante;
  • Elaboração de plano de nivelamento, onde constem ações da instituição para garantir o sucesso do estudante na Universidade, e as responsabilidades de todos os envolvidos, inclusive do próprio estudante.
  • Formação de redes de comunicação entre Reitoria, Pró Reitoria e demais segmentos envolvidos;
  • Disponibilização de informações na página do NAE;
  • Reuniões periódicas;
  • Seminários, cursos, workshops, fóruns para discussão e aprofundamento de temas relacionados com a inclusão e acessibilidade, direcionados aos docentes , discente e técnicos.

Se o caso for trazido por um Professor e/ou funcionário, num primeiro momento será realizada uma entrevista com o mesmo para detectar a(s) provável (eis) causa(s) da situação. No segundo momento proceder a uma entrevista e/ou teste com o aluno visando pesquisar a(s) causa(s) da(s) situação(ões).

Quando a procura pelo NAE for a partir do próprio aluno será realizada uma entrevista e/ou teste com o mesmo objetivando levantar suas necessidades. Caso seja identificado que aspectos emocionais estejam impactando no processo poderá ser sugerido ao aluno que procure atendimento psicológico/psiquiátrico fora da instituição.
Os alunos que iniciarem tratamento fora da instituição deverão sofrer acompanhamento da Psicóloga do NAE através de encontros bimestrais ou trimestrais (dependendo do caso) com o profissional que esteja prestando o referido atendimento.

Outras situações, que não da área emocional – serão encaminhadas áreas de apoio atuantes do NAE, após realização da entrevista.

Observação: dependendo do caso os Responsáveis poderão ser acionados.

O Núcleo dispõe da atuação de profissional com conhecimento específico no ensino da Língua Brasileira de Sinais ao qual o NAE oferece no interturnos aulas de LIBRAS para coordenadores, professores e funcionários da Instituição e uma pós doutoranda em Educação/ educadora especial com atendimento direcionado aos estudantes com deficiência, transtornos globais do desenvolvimento e altas habilidades/superdotação

CONTATOS

Campus Universitário Ulysses Guimarães
Prédio  13 – térreo – em frente ao CCHS

Fone: 55 3321 1524 ou 55 3321 1500 Ramal: 2524

E-mail: mrodrigues@unicruz.edu.br | rrech@unicruz.edu.br